sábado, 23 de março de 2013

É tua a saudade que bate no peito e laça a garganta.

Eu estou carente, vem pra cá logo, me contar da sua vida e da sua felicidade do coração, queria tanto te ouvir falando sobre suas conquistas, mas, queria ouvir de perto para poder ver o brilho ofuscante dos teus olhos castanhos e os traços acentuados do teu rosto, queria teu afago e abraço pra tirar a saudade e matar essa de vez, mas, se tiver de esperar, eu espero pois, esperei por ti durante vinte anos da minha vida e queira eu, queira não, vinte dias são eternidade dolorosamente suportável, quando é tua a saudade e o aperto do coração.
É tua a saudade que bate no peito e laça a garganta, só tua, a carência é tua e quisera eu poder dizer que me controlo em egoísmos por te desejar mas não, não controlo.
Quisera eu que mexesse apenas com meu psicológico cara, mas, mexes com minha moral, minha estima, meu senso, meu humor, libido e o caralho a quatro.


terça-feira, 19 de março de 2013

Laranjas sem metades simétricas.

Você não precisa achar a sua outra metade para ser completo, basta uma flexão harmônica de ambas as partes para um encaixe perfeito, digamos assim.
Qualé, alguém ainda acredita nessa balela de pessoa perfeita, sem bafo, sem cabelo despenteado, que te entende em cem porcento dos seus devaneios, aceita todas as suas loucuras cotidianamente e atende todos os seus desejos e expectativas?
Cá entre nós, até a Alice já acordou e viu as verdades de um mundo real.
Ocorreu um erro neste gadget